Passar para o Conteúdo Principal
C.M Matosinhos
ArquiteturaNotícias

Siza Vieira premiado em França

Grande Prémio da Arquitetura pela Academia de Belas-Artes francesa

15.10.19

O arquiteto Álvaro Siza Vieira recebeu o Grande Prémio de Arquitetura da Academia de Belas Artes Francesa, pelo conjunto do seu percurso, sublinhando-se a obra "magistral" e o seu "percurso humanista".
Siza Vieira esteve em Paris para receber o “Grande Prix de Arquitetura”, um descendente do histórico "Prix de Rome", renegado pelos revolucionários do maio de 1968, mas agora recuperado pela Academia de Belas Artes francesa. O arquiteto português proferiu uma conferência no Instituto de França, que junta as cinco academias de letras, artes e ciências.
Refira-se que o prémio carreira foi atribuído pela primeira vez pela Academia de Belas-Artes francesa, circunstância que levou o arquiteto a agradecer por ser o primeiro galardoado. Este prémio, de caráter internacional, deverá agora alternar, num modelo bienal, com outro galardão que já era atribuído e dedicado a jovens arquitetos.
Na nova fase, o prémio, que tem um valor de 35 mil euros, distinguirá uma personalidade com uma carreira relevante em anos ímpares e um jovem talento em anos pares.
A arquitetura de Siza Vieira foi distinguida pela sua capacidade de se fundir na paisagem, na cultura local, mas também pela história da modernidade ligada a Alvar Aalto e Le Corbusier.
Aos 86 anos, o matosinhense Siza Vieira é o arquiteto vivo mais condecorado, cujo palmarés inclui os prémios Pritzker ou o Praemium Imperiale.
Ao entregar este novo prémio ao arquitecto português, “a academia francesa quis mostrar o respeito que lhe inspira este grande mestre”, escreveu o jornal francês Le Monde.
A academia lembrou no seu comunicado de imprensa que Siza tem um edifício construído em França, a igreja de Saint-Jacques-de-la-Lande, próximo de Rennes (Bretanha), inaugurada em 2018, além de um projeto de urbanismo para o centro de Montreuil (1990-2000).
O júri, que escolheu Siza “pela exemplaridade de uma trajetória”, foi constituído por Marc Barani, Bernard Desmoulin, Dominique Perrault, Alain-Charles Perrot, Jacques Rougerie, Roger Taillibert, Aymeric Zublena e Jean-Michel Wilmott.

image title

Artigos relacionados: