Passar para o Conteúdo Principal
C.M Matosinhos
NotíciasArquiteturaCasadaArquitectura

Oportunidades de transformação das cidades

Conferência “Mobilidade e Arquitetura” na Casa da Arquitectura

09.10.18

Eduardo Souto de Moura, Manuel Aires Mateus e José Arménio de Brito Cruz juntaram-se hoje na Casa da Arquitectura - Centro Português de Arquitectura, em Matosinhos, para debaterem a mobilidade na arquitetura.
A conferência “Mobilidade e Arquitetura - Pensar a Cidade para a Mobilidade”, integrada no VII Congresso Ibérico de Mobilidade e Energia, contou com a participação da Presidente da Câmara Municipal de Matosinhos, Luísa Salgueiro.
No debate moderado pelo diretor executivo da Casa da Arquitectura, Nuno Sampaio, José Armênio de Brito Cruz, Presidente da SP – Urbanismo da Cidade de São Paulo (Brasil), adiantou que diariamente 11 dos 14 milhões de pessoas entram e saem da cidade de São Paulo. Para lidar com esta situação, defende a revisão da matriz da mobilidade urbana, abrangendo três áreas: a pedestre, a do transporte rodoviário e a do transporte público.
Um dos exemplos que deu foi a intervenção que a Avenida Paulista sofreu em 2009. O seu piso foi transformado, dando lugar à calçada portuguesa, o que motivou o encerramento daquela artéria aos domingos à circulação automóvel e à possibilidade de 100 mil pessoas ali circularem livremente.
José Arménio recordou ainda os efeitos das manifestações que decorreram no Brasil em 2013 pelo direito à cidade baseado na mobilidade. Uma das mudanças prende-se com a implementação no ano seguinte dos eixos de estruturação urbana, no Plano Diretor Municipal de São Paulo. Uma das preocupações é a elevada taxa de desemprego que afeta 14 milhões de cidadãos brasileiros. Um dos eixos apresentados prevê a descentralização da oferta de emprego para aproximar o emprego da casa/habitação.
Já o arquiteto Eduardo Souto de Moura, vencedor do Prémio Pritzker de 2011, falou da sua experiência enquanto coordenador da rede de Metro do Porto.
“São as infraestruturas que promovem a alteração física das cidades. As cidades eram estáticas. O metro foi o motor dessa alteração urbanística. A mobilidade é o que gera a transformação das cidades. O metro é um motivo para se alterar a cidade. Foi uma oportunidade para se criar o saneamento, para se plantarem novas árvores, para se criarem novos jardins e praças, novas infraestruturas. Esta transformação urbana deu uma valorização aos terrenos. Onde antes não existia nada, agora existem urbanizações”, explicou Souto de Moura.
Por sua vez, o arquiteto Manuel Aires Mateus, vencedor do Prémio Pessoa 2017, considerou que “a mobilidade não é feita de um sistema, mas de vários sistemas ao mesmo tempo”. O arquiteto referiu a evolução das cidades e a sua articulação com os vários meios de circulação, sem esquecer as novas tendências como os transportes partilhados.
Aliás, a este propósito, a Presidente da Câmara Municipal de Matosinhos referiu, a título de exemplo, os projetos de bike sharing e Living Lab em curso em parceria com o CEiiA.
“Matosinhos é um Concelho muito atrativo e cresceu demograficamente. O desafio que temos agora pela frente é a convivência desses novos moradores, com os novos espaços que construímos, com o trânsito. Queremos garantir a qualidade de vida às pessoas, mas também a sustentabilidade a pensar nas futuras gerações”, salientou a edil que encerrou a sessão.
Além de Luísa Salgueiro, estiveram ainda presentes na conferência o Vice-presidente da Autarquia, Eduardo Pinheiro, os vereadores Fernando Rocha, António Correia Pinto, José Pedro Rodrigues e Narciso Mirada, o administrador da MatosinhosHabit, Tiago Maia, entre outras personalidades.

image title
image title
image title
image title
image title
image title
image title
image title
image title
image title
image title
image title
image title
image title
image title
image title

Artigos relacionados: