Passar para o Conteúdo Principal
C.M Matosinhos

Os Hospitalários no Caminho de Santiago

De 7 a 10 de Setembro de 2017
 
 
A peregrinação, a recriação histórica, a festa medieval
 
Em Matosinhos, a ligação a Santiago, às rotas seculares das peregrinações religiosas é óbvia e muitos são os locais de abrigo e de proteção contra salteadores, lobos e intempéries. O Mosteiro de Bouças foi um deles, mas o Mosteiro de Leça do Balio é paradigmático no conjunto de locais de acolhimento e assistência aos romeiros que iam visitar o túmulo do Apóstolo em Compostela.
O Mosteiro de Leça do Balio, magnifico monumento do gótico português, integra-se no vasto Património da Humanidade pelos itinerários dos Caminhos de Santiago percorridos por peregrinos de toda a Europa. A Ordem dos Hospitalários, que neste mosteiro veio a fazer, no século XII, a sua casa mãe em Portugal, dedicava-se a esta caridosa assistência, a exemplo de outras ordens.
 
Os romeiros que passam em Matosinhos rumo a Santiago, calcorreiam pela Via Bracarii, ou pela Karraria Antiqua ou pela Via Veteris, e atravessam o concelho norteando para Santiago de Compostela. Daí, a forte e indissociável ligação do Concelho a esta peregrinação e a sua riqueza em memórias e testemunhos antiquíssimos. A presença do Apóstolo Santiago espreita em cada esquina do concelho, quer seja na transmissão oral ou nos locais a ele afetos. Logo na entrada no Concelho, é deixar-se envolver na beleza e vetustez do Cruzeiro do Padrão da Légua que marca a separação entre a Via Veteris e a Karraria Antiqua.
 
Mas o elo entre o Concelho e Santiago mantém-se ao longo de todo o Caminho e está presente na História de Matosinhos, desde a mais longínqua referência. Conta uma tradição com raízes profundas que a singela Capela de Santo Antoninho do Telheiro, em S. Mamede Infesta, foi erigida no local onde Santo António, em peregrinação a Santiago, se refugiou, durante a noite, debaixo de um telheiro para se proteger dos perigos da viagem.
 
Obras de cariz emblemático são as várias pontes utilizadas nos diversos caminhos de peregrinação que facilitavam as travessias e passagem dos peregrinos, e que ainda hoje subsistem. Assim, ao longo de Matosinhos é possível percorrer o corredor do tempo através da visita à Ponte da Pedra, em Leça do Balio; à Ponte de D. Goimil, em Custóias e à Ponte do Carro, na linha limítrofe de Guifões e Sta. Cruz do Bispo. Também nesta freguesia, se encontra uma escultura de raiz evocatória à lenda de Santiago. O barco de pedra, representação da embarcação que transportou o corpo do Apóstolo Santiago na sua viagem da Palestina para a Galiza, tornou-se objeto de culto para os fiéis de Santiago.
 
A Autarquia, com o propósito de reavivar memórias e tradições dispersas e em risco, e de valorizar a Peregrinação a Santiago e os seus testemunhos no concelho, leva a cabo, no segundo fim de semana de setembro, na envolvente do Mosteiro de Leça do Balio, uma festa de multifacetadas vertentes. Esta é a recriação histórica do artesanato, da música, mercados e tabernas medievais, saltimbancos, mas também conferências e visitas guiadas ao mosteiro que cria um cenário singular e mágico. O Mosteiro é o ator imponente, belo e austero que tem, obviamente, neste teatro o papel principal.
Toda a festa que se preza tem uma boa mesa. Em Matosinhos obrigatória é a visita aos restaurantes, ou não exercesse a famosíssima gastronomia de Matosinhos uma lendária coação. À beira mar, há ruas inteiras de restaurantes e as mesas estão sempre cheias. O peixe e o marisco fresquíssimos, as receitas de carne dos lavradores do Matosinhos interior, o tom de arraial e os aromas dos grelhados são desarmantes.
 
Visite-nos e tome-se de amores por Matosinhos.

Este evento é cofinanciado pelo FEDER a 85% com o apoio do Programa Operacional NORTE 2020/ Portugal 2020.