Passar para o Conteúdo Principal
C.M Matosinhos

Música Clássica em Matosinhos

 
Num momento particularmente difícil da economia portuguesa e europeia - como aquele que será 2011- num quadro financeiro de contenção e com implicações negativas no volume das fontes de receita dos Municípios, a Câmara Municipal de Matosinhos irá manter uma forte aposta na sua programação cultural.
Com efeito esta Autarquia não deseja desinvestir naquela que tem sido, não só uma das suas áreas de referência e de identidade nos últimos anos, mas também das que mais tem contribuído para o rejuvenescimento, qualificação e dinamismo da sua população. Uma área para a qual se olha, também, com alguma expetativa no pressuposto de poder contribuir de um modo significativo para o inverter do atual contexto económico. Na realidade, e para lá da importância que a produção e o usufruto das práticas culturais possuem para a autoestima e qualidade de vida das comunidades, o setor cultural é atualmente um dos principais “motores” da economia da União Europeia (UE). Com feito, como recorda o relatório “A Economia Cultural na Europa” da Comissão Europeia, a “indústria cultural” tem hoje na Europa dos 25 um peso superior, por exemplo, à indústria automóvel e ao setor imobiliário, representando mais de 2,6% do PIB da UE. Em Portugal, com cerca de 1,4%, a “cultura” é já o terceiro contribuinte para o PIB do nosso país, logo a seguir aos produtos alimentares e têxteis.
 
É assim, no pressuposto de que a Cultura deverá ser entendida cada vez mais como um setor prioritário na definição de estratégias de desenvolvimento de qualquer região, que a Câmara Municipal de Matosinhos irá prosseguir (mesmo que com alguns constrangimentos) com as principais linhas de atuação e iniciativas culturais que vem desenvolvendo nos últimos anos. O Quarteto de Cordas é, nesse contexto, um dos elementos incontornáveis da nossa aposta e da nossa programação.

Eduardo Pinheiro
Presidente da Câmara Municipal
 
É com indisfarçável orgulho que vimos registando as crescentes e elogiosas referências que a crítica especializada vem fazendo ao Quarteto de Cordas de Matosinhos, catalogando-o como “um caso singular de excelência no panorama musical português” com “um percurso musical absolutamente notável”. Ao longo de 2010 este projeto da Autarquia não só alicerçou a sua regular atividade, como desenvolveu também um conjunto muito significativo de atuações, no concelho e no resto do país, que suscitou um unânime aplauso. Alguns dos mais conceituados críticos não hesitaram, sequer, em classificar o nosso Quarteto como “um agrupamento digno de uma carreira de reconhecimento internacional (que deveria) ter um belo contrato com uma empresa discográfica que trataria de o promover em todos os cantos do mundo” (Público 20/10/2010).

A aposta da Câmara Municipal de Matosinhos quando criou este quarteto, em 2007, mostra-se assim, e em larga medida, perfeitamente alcançada. Não só porque vimos garantindo uma programação coerente e continuada deste género musical para o cada vez mais exigente público da Área Metropolitana do Porto, como, através das suas atuações, passamos a desfrutar de mais um notável e categorizado embaixador de Matosinhos. Na senda, de resto, do que já vinha acontecendo com a Orquestra de Jazz de Matosinhos.

Para o sucesso do Quarteto concorrem diversos fatores. Desde logo a mestria dos seus componentes (Vitor Vieira, Juan Maggiorani, Jorge Alves e Marco Pereira). Mas também o programador (Manuel Dias da Fonseca), a equipa municipal da área da Cultura, o público já fidelizado, e uma exigente e qualificada programação. Como a que seguidamente se apresenta, relativa ao primeiro semestre da temporada de 2011.
 
O Vereador da Cultura
Fernando Rocha