Passar para o Conteúdo Principal
C.M Matosinhos

Edifício da Câmara Municipal de Matosinhos

Paços do Concelho

AutarquiaPaçosdoConcelho

Paços do ConcelhoUm equilibrio perfeito

O edifício dos Paços do Concelho, inaugurado a 8 de dezembro de 1987, é um emblemático exemplo da arquitetura contemporânea portuguesa cuja singularidade tem sobressaído e constituído uma fonte de admiração aqui e além fronteiras.
Nascido da necessidade de criação de um novo espaço de trabalho para dar resposta à exiguidade do edifício da Rua Brito Capelo, o novo edifício dos Paços do Concelho conseguiu conciliar, de forma feliz, a estética e a funcionalidade.
 
Mário Maia, primeiro presidente eleito da Câmara, deu os primeiros passos de um longo processo com final feliz. Narciso Miranda impulsionou a construção e, desde a primeira hora, mostrou a vontade e a coragem para construir em Matosinhos um edifício belo, funcional e moderno, capaz de representar o melhor do Poder Local do Pós 25 de abril e de ser a casa de todos os matosinhenses.
 
Uma grande obra diante da qual, apesar do tempo percorrido, não nos é possível ficar indiferente. O bom gosto, a harmonia dos espaços, a simplicidade das linhas e das formas, a volumetria, o pormenor do grafismo mostram, efetivamente, a existência de um equilíbrio perfeito entre a estética e a funcionalidade.
 
Por detrás deste grande marco, que domina a paisagem de Matosinhos, está Alcino Soutinho e a equipa por ele liderada. Do exterior ao interior do edifício, nada foi deixado ao acaso! Narciso Miranda percebeu que este era, de facto, o melhor projeto e por isso enquanto Presidente do Júri, usou o seu voto de qualidade. E escolheu bem!
 
Matosinhos orgulha-se da sua Câmara Municipal: das visitas de turistas vindos dos quatro cantos do mundo, ávidos de conhecer cada pormenor, cada recanto, de fotografar, de gravar na memória, de simplesmente fruir de uma obra de arte; das crianças que brincam entre os pilares da fachada central; dos cidadãos que descobrem todos os dias pormenores de rara beleza quando caminham pelos corredores do edifício; das entidades oficiais que nos visitam e se encantam com a grandeza e a amplitude do Salão Nobre.