Passar para o Conteúdo Principal
C.M Matosinhos
PinturaExposiçõesGaleriaMunicipalNotícias

Ângelo de Sousa

Quase tudo o que sou capaz. Obras da Coleção de Serralves

19.02.18

Exposição // 24 de fevereiro a 28 de abril // Galeria Municipal de Matosinhos

imagemA Galeria Municipal de Matosinhos vai acolher, de 24 de fevereiro a 28 de abril, uma exposição dedicada àquele que é um dos mais importantes e disruptivos artistas plásticos portugueses da segunda metade do século XX: Ângelo de Sousa. Produzida em parceria pela Fundação de Serralves e pela Câmara Municipal de Matosinhos, “Ângelo de Sousa: Quase tudo o que sou capaz” reunirá 35 obras de vários períodos da carreira do artista, incluindo as obras da coleção de Serralves e duas obras pertencentes ao acervo municipal, “Cavalo verde” e “Sem título”.

Sendo uma das figuras mais influentes da arte portuguesa da segunda metade do século XX, Ângelo de Sousa (Lourenço Marques, Moçambique, 1938‒2011, Porto) é, refira-se, um dos artistas melhor representados na Coleção de Serralves, com trabalhos realizados entre os anos 1960 e 2010. O seu trabalho abarcou um vasto conjunto de meios artísticos, do desenho ao filme, passando pela pintura, pela escultura, pela instalação e pela fotografia.

“Ângelo de Sousa: Quase tudo o que sou capaz” reunirá, assim, uma parcela muito considerável das obras de Ângelo de Sousa na Coleção de Serralves — nomeadamente a quase totalidade dos desenhos, pinturas e esculturas —, com o objetivo de sublinhar a importância da contaminação entre aquelas disciplinas para a evolução da sua prática artística e de mostrar de que modo o desenho e a escultura constituem facetas fundamentais da obra de Ângelo de Sousa, nos quais é, porventura, mais evidente o seu caráter experimentalista. Não por acaso, o título da exposição parafraseia o nome dado por Jorge de Silva Melo ao documentário biográfico que, em 2010, dedicou ao artista, “Ângelo de Sousa: Tudo o que sou capaz”.

Caracterizados por uma aparente simplicidade — o artista tenta obter, nas suas palavras, “o máximo de efeitos com o mínimo de recursos, o máximo de eficácia com o mínimo de esforço, e o máximo de presença com o mínimo de gritos” —, os desenhos, pinturas e esculturas de Ângelo de Sousa não ilustram conceitos, nunca partem de ideias, mas da ânsia de fazer e pensar com as mãos. A exposição sublinha, assim, esta vontade de trabalhar com elementos simples, apresentando as primeiras obras de Ângelo de Sousa, ainda figurativas mas apontando já para a depuração que viria a caracterizar o artista, lado a lado com os exercícios abstrato-geométricos – nomeadamente desenhos, telas e esculturas – que o impuseram como um dos maiores estudiosos da cor e da luz.

A exposição, refira-se, integra o programa de exposições itinerantes que a Fundação de Serralves desenvolve com o objetivo tornar a sua coleção de arte contemporânea acessível para além das portas do museu, permitindo assim o alargamento da rede de acesso das populações à arte e à cultura.

Inauguração
24 de fevereiro, sábado, às 17h00

Local da exposição
Galeria Municipal de Matosinhos
Avenida Afonso Henriques
4454-510 Matosinhos

Horário
De segunda a sexta-feira, das 9h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30
Sábados e feriados, das 15h00 às 18h00

imagem

imagem

Artigos relacionados: