Passar para o Conteúdo Principal
C.M Matosinhos

Homenagem a Matosinhenses

Câmara atribuiu Medalha de Mérito Dourada a António Cunha e Silva, Joaquim Queirós, Domingos Galante, Rocha dos Santos, Belmiro Galego, Manuel Tavares Rodrigues de Sousa e Carlos Manuel Duarte Oliveira. A Equipa de Bilhar do Leixões recebeu a Medalha de Valor Desportivo.

20.05.13

“Em tempo de crise é ainda mais necessário olhar para aqueles que se elevam acima da vida comum para que nos inspirem e que nos façam acreditar nas nossas capacidades”, afirmou o Presidente da Câmara Municipal de Matosinhos, Dr. Guilherme Pinto, na homenagem a António Cunha e Silva, Joaquim Queirós, Domingos Galante, Rocha dos Santos, Belmiro Galego, Manuel Tavares Rodrigues de Sousa, Carlos Manuel Duarte Oliveira e a Equipa de Bilhar do Leixões.

A cerimónia decorreu no passado dia 18 de maio, reunindo no Salão Nobre dos Paços do Concelho centenas de pessoas.

Esta distinção pretendeu homenagear quem, de alguma forma, contribuiu para a ascensão, desenvolvimento e crescimento do concelho de Matosinhos e do seu património económico, cultural e social.

António Cunha e Silva nasceu em Leça da Palmeira em 1941. Diplomado pelo Conservatório de Música do Porto, foi membro da Orquestra Sinfónica e do Quarteto de Cordas do Porto. Foi professor de violino e Presidente do Conselho Diretivo do Conservatório do Porto. Foi também diretor da Academia de Música de Matosinhos, Conservatório da Maia e do Conservatório da Covilhã.

Escritor, artista plástico, músico conferencista, dedicou mais de três décadas ao estudo da vida e da obra de Óscar da Silva, o compositor da saudade e do saudosismo.

Domingos Galante foi distinguido com a Medalha de Mérito Dourada a título póstumo. Nasceu em 1930, em Matosinhos. De 1947 a 1964 foi funcionário dos Serviços Municipalizados de Matosinhos exercendo funções de fiscal de vistorias de instalações elétricas. Licenciou-se em Direito pela Universidade de Coimbra, exercendo advocacia na comarca de Lisboa.

Foi presidente da direção e da assembleia geral da associação da Banda de Matosinhos Leça, tendo a banda conquistado em concurso nacional, o troféu de “mérito artístico”, em 1980 durante o seu mandato como presidente da direção.

A literatura e a história local fizeram também parte da vida deste homem que muito deu e contribuiu para levar o nome de Matosinhos mais longe. Grande lutador, graças ao seu entusiasmo fundou-se o Fórum Matosinhense, Associação Cívica de Defesa do Património Cultural do qual foi sócio fundador número um.

Joaquim Queirós nasceu em 1934, em Matosinhos, começando cedo a sua colaboração em jornais e revistas. Em Novembro de 1972 tornou-se jornalista profissional, afirmando-se em periódicos como o “Jornal de Notícias” e “O Comércio do Porto”, subindo os diversos patamares da hierarquia desta profissão e tendo sido diretor deste último, um jornal centenário.

Fundou e dirigiu, durante 10 anos, o trissemanário “A Gazeta dos Desportos” e, em 1993, fundou o jornal “Matosinhos Hoje”, considerado, em 1995, pelo Clube de Jornalistas de Lisboa, como o melhor jornal regional português.

Recebeu o prémio de jornalismo Joaquim Alves Teixeira, instituído pelo Governo, em 1982.

Foi distinguido, pelo Governo de Cavaco Silva, com a Medalha de Mérito Desportivo pelo seu desempenho na área da comunicação social.

Jornalista e escritor, Joaquim Queirós assumiu, entre 1989 e 1993, o cargo de Vereador na Câmara Municipal de Matosinhos.

Fernando Jorge Rocha dos Santos nasceu em Leça da Palmeira. É um orador privilegiado comummente convidado para falar sobre Matosinhos, destacando-se, entre outras, as suas palestras relacionadas com alguns aspetos da ruralidade de Leça da Palmeira e com o naufrágio do Veronese. Escritor e colaborador de diversos jornais e publicações, Rocha dos Santos licenciou-se em Engenharia Civil pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, encontrando-se a preparar a tese de mestrado integrado em “Arquitetura e Urbanismo” pela Universidade Fernando Pessoa sob o tema “Evolução da Morfologia Urbana de Leça da Palmeira”.

Belmiro Esteves Galego nasceu em Matosinhos em 1939. Funcionário do ex-Grémio dos Armadores da Pesca da Sardinha (integrado na Secretaria de Estado das Pescas) durante quase 30 anos, foi um dos co-fundadores do Núcleo de Amigos dos Pescadores de Matosinhos e Secretário-geral da Direção do Fórum Matosinhos.

Autor de vários livros sobre Matosinhos, Belmiro Galego desenvolveu um interesse genuíno na vida e nas histórias das famílias piscatórias matosinhenses.

Manuel Tavares Rodrigues de Sousa foi distinguido com a Medalha de Mérito Dourada a título póstumo. Natural de Matosinhos, licenciou-se em Medicina e Cirurgia pela Universidade do Porto. Pediatra pela Ordem dos Médicos, entrou para o Hospital Distrital de Matosinhos em 1957. Foi Diretor do Serviço de Pediatria do Hospital de Matosinhos – Hospital Pedro Hispano, até à sua aposentação.

A nível cultural, participou em vários concertos e diversas composições suas para piano foram tocadas em concertos. Cultivou o gosto pelo desenho e a caricatura. Tem vários livros publicados, de âmbito cultural ou técnico. Escreveu artigos de opinião. Investigou e escreveu sobre a História local. Muitos desses textos foram publicados em jornais locais e nos “Arquivos Histórico-Culturais de Matosinhos”, do Fórum Matosinhense.

Foi Vereador do Pelouro da Cultura da Câmara Municipal de Matosinhos, Presidente da Direção e um dos fundadores do Fórum Matosinhense, e Provedor da Santa Casa da Misericórdia do Bom Jesus de Matosinhos.

Na cerimónia, foi ainda entregue a Carlos Manuel Duarte Oliveira a Medalha de Mérito Dourada, que lhe havia sido atribuída nas comemorações do 25 de abril. Membro da Comissão Diretiva do ON.2 – “O Novo Norte”, o Programa Operacional Regional do Norte, Carlos Duarte tem demonstrado uma rara sensibilidade na relação institucional que mantém com a Câmara de Matosinhos, posicionando-se sempre como parceiro interessado no desenvolvimento do Município, especialmente no apoio dado para a implementação da estratégia de desenvolvimento definida para o litoral do concelho, destacando-se a operação “Valorização da Orla Costeira do Concelho de Matosinhos”, e a regeneração urbana com as operações integradas no plano de ação “Marginal Atlântica”.

Também a Equipa de Bilhar do Leixões Sport Clube foi distinguida com a Medalha de Valor Desportivo. Fundada em 1965, tem tido excelentes resultados, destacando-se as suas participações em grandes eventos, de que é exemplo, a Taça do Mundo de Bilhar. Na sua história, a equipa de bilhar conta já importantes feitos que permitiram elevar o nome de Matosinhos a nível internacional, nacional e regional.

Em nome dos homenageados, Cunha e Silva referiu que “uma homenagem não é um ato individual”, pois “uma distinção nunca será individual”. “Uma cerimónia com esta grandeza tem que ser encarada com humildade. É um sentimento festivo, coletivo, comunitário. Afinal, crescemos juntos. Somos remadores, pescadores do mesmo universo imaginário”, disse.

A cerimónia contou com a presença do Vereador da Cultura, Fernando Rocha, da Vereadora do Ambiente, Dr.ª Joana Felício, do Vereador da Educação, Prof. António Correia Pinto, da Vereadora Dr.ª Ana Fernandes, da Vereadora Dr.ª Alexandra Gavina, da administradora da Matosinhos Sport, Eng. Helena Vaz, e do presidente da junta de freguesia de Lavra, Rodolfo Mesquita.

Artigos relacionados: