Passar para o Conteúdo Principal
C.M Matosinhos

Câmara homenageia matosinhenses

Cerimónia de atribuição de medalhas agendada para o próximo dia 18 de maio, pelas 11h00, no Salão Nobre dos Paços do Concelho.

15.05.13

António Cunha e Silva, Joaquim Queirós, Domingos Galante, Rocha dos Santos, Belmiro Galego e Manuel Tavares Rodrigues de Sousa são conhecidos matosinhenses que, de alguma forma, contribuíram para a ascensão, desenvolvimento e crescimento do concelho de Matosinhos e do seu património económico, cultural e social.

Como tal, a Câmara Municipal de Matosinhos decidiu prestar-lhes a merecida homenagem, atribuindo-lhes a Medalha de Mérito Dourada.

António Cunha e Silva nasceu em Leça da Palmeira em 1941.Diplomado pelo Conservatório de Música do Porto, foi membro da Orquestra Sinfónica e do Quarteto de Cordas do Porto. Foi professor de violino e Presidente do Conselho Diretivo do Conservatório do Porto. Foi também diretor da Academia de Música de Matosinhos, Conservatório da Maia e do Conservatório da Covilhã.

Escritor, artista plástico, músico conferencista, dedicou mais de três décadas ao estudo da vida e da obra de Óscar da Silva, o compositor da saudade e do saudosismo.

Domingos Galante será distinguido com a Medalha de Mérito Dourada a título póstumo. Nasceu em 1930, em Matosinhos. De 1947 a 1964 foi funcionário dos Serviços Municipalizados de Matosinhos exercendo funções de fiscal de vistorias de instalações elétricas. Licenciou-se em Direito pela Universidade de Coimbra, exercendo advocacia na comarca de Lisboa.

Foi presidente da direção e da assembleia geral da associação da Banda de Matosinhos Leça, tendo a banda conquistado em concurso nacional, o troféu de “mérito artístico”, em 1980 durante o seu mandato como presidente da direção.

A literatura e a história local fizeram também parte da vida deste homem que muito deu e contribuiu para levar o nome de Matosinhos mais longe. Grande lutador, graças ao seu entusiasmo fundou-se o Fórum Matosinhense, Associação Cívica de Defesa do Património Cultural do qual foi sócio fundador número um.

Joaquim Queirós nasceu em 1934, em Matosinhos, começando cedo a sua colaboração em jornais e revistas. Em Novembro de 1972 tornou-se jornalista profissional, afirmando-se em periódicos como o “Jornal de Notícias” e “O Comércio do Porto”, subindo os diversos patamares da hierarquia desta profissão e tendo sido diretor deste último, um jornal centenário.

Fundou e dirigiu, durante 10 anos, o trissemanário “A Gazeta dos Desportos” e, em 1993, fundou o jornal “Matosinhos Hoje”, considerado, em 1995, pelo Clube de Jornalistas de Lisboa, como o melhor jornal regional português.

Recebeu o prémio de jornalismo Joaquim Alves Teixeira, instituído pelo Governo, em 1982.

Foi distinguido, pelo Governo de Cavaco Silva, com a Medalha de Mérito Desportivo pelo seu desempenho na área da comunicação social.

Jornalista e escritor, Joaquim Queirós assumiu, entre 1989 e 1993, o cargo de Vereador na Câmara Municipal de Matosinhos.

Fernando Jorge Rocha dos Santos nasceu em Leça da Palmeira. É um orador privilegiado comummente convidado para falar sobre Matosinhos, destacando-se, entre outras, as suas palestras relacionadas com alguns aspetos da ruralidade de Leça da Palmeira e com o naufrágio do Veronese. Escritor e colaborador de diversos jornais e publicações, Rocha dos Santos licenciou-se em Engenharia Civil pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, encontrando-se a preparar a tese de mestrado integrado em “Arquitetura e Urbanismo” pela Universidade Fernando Pessoa sob o tema “Evolução da Morfologia Urbana de Leça da Palmeira”.

Belmiro Esteves Galego nasceu em Matosinhos em 1939. Funcionário do ex-Grémio dos Armadores da Pesca da Sardinha (integrado na Secretaria de Estado das Pescas) durante quase 30 anos, foi um dos co-fundadores do Núcleo de Amigos dos Pescadores de Matosinhos e Secretário-geral da Direção do Fórum Matosinhos.

Autor de vários livros sobre Matosinhos, Belmiro Galego desenvolveu um interesse genuíno na vida e nas histórias das famílias piscatórias matosinhenses.

Manuel Tavares Rodrigues de Sousa será distinguido com a Medalha de Mérito Dourada a título póstumo. Natural de Matosinhos, licenciou-se em Medicina e Cirurgia pela Universidade do Porto. Pediatra pela Ordem dos Médicos, entrou para o Hospital Distrital de Matosinhos em 1957. Foi Diretor do Serviço de Pediatria do Hospital de Matosinhos – Hospital Pedro Hispano, até à sua aposentação.

A nível cultural, participou em vários concertos e diversas composições suas para piano foram tocadas em concertos. Cultivou o gosto pelo desenho e a caricatura. Tem vários livros publicados, de âmbito cultural ou técnico. Escreveu artigos de opinião. Investigou e escreveu sobre a História local. Muitos desses textos foram publicados em jornais locais e nos “Arquivos Histórico-Culturais de Matosinhos”, do Fórum Matosinhense.

Foi Vereador do Pelouro da Cultura da Câmara Municipal de Matosinhos, Presidente da Direção e um dos fundadores do Fórum Matosinhense, e Provedor da Santa Casa da Misericórdia do Bom Jesus de Matosinhos.

Também uma instituição do Concelho será distinguida com a Medalha de Valor Desportivo. A Equipa de Bilhar do Leixões Sport Clube, fundada em 1965, tem tido excelentes resultados, destacando-se as suas participações em grandes eventos, de que é exemplo, a Taça do Mundo de Bilhar. Na sua história, a equipa de bilhar conta já importantes feitos que permitiram elevar o nome de Matosinhos a nível internacional, nacional e regional.

A cerimónia terá lugar no próximo sábado, 18 de maio, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, num ambiente festivo integrado no programa das Festas da Cidade.

Artigos relacionados: