Passar para o Conteúdo Principal
C.M Matosinhos

Caminho Português da Costa em Matosinhos

 

O itinerário proposto segue aproximadamente o traçado da antiga estrada que ligava o Porto a Vila do Conde.A partir do Monte dos Burgos a via segue pela Rua Central do Seixo até ao Cruzeiro do Padrão da Légua. Esta bonita imagem do Cristo Crucificado, data do séc. XVII e marca simultaneamente o ponto em que a antiga estrada para Vila do Conde se apartava da que seguia para Barcelos e Viana do Castelo.A partir deste monumento o peregrino desvia-se para Poente, pela Rua da Fonte Velha, até ao Largo do Souto.O Largo do Souto já referenciado em 1258 como “ad crucem Sanctii Iacobii Costoyas”, foi, durante séculos a principal centralidade da freguesia. A cerca de 200 metros fica a igreja paroquial de Santiago de Custóias, construída no séc. XVIII, onde se destacam os seus belos altares em talha dourada barroca, alberga a imagem de Santiago Maior, padroeiro da freguesia.A partir deste ponto segue para Norte pela Rua da Cal, descendo em direcção ao Rio Leça.A passagem do rio faz-se pela Ponte de Goimil, uma ponte de cavalete com um arco ogival, construída em alvenaria de granito irregular, apresentando uma tipologia construtiva característica da Idade Média (sécs. XIII – XIV).O percurso prossegue para Norte pela Rua da Estrada. O Marco do Couto de Leça, datável do séc. XVII, localizado na subida em direcção a Pedras Rubras marca os limites do Couto de Leça e dos territórios da Ordem do Hospital e a entrada no município da Maia.

Para quem goste de caminhar à beira-mar Matosinhos possui ainda, em alternativa, 15 quilómetros de agradáveis percursos pedonais junto à praia, que levam o caminhante até Vila do Conde.

 

Do Caminho da Costa ao Caminho Central

Este itinerário segue pelo traçado da antiga estrada de origem romana Porto – Braga, que entra em S. Mamede de Infesta pela Rua do Carriçal em direcção ao Largo do Marco e desce pela Rua da Fonte até à Capela de Santo António do Telheiro. A capela é do século XVIII, transformada no séc. XX. O nome do lugar está ligado a uma lenda popular que se refere à passagem de S. António numa peregrinação a Compostela e que aqui se terá abrigado num telheiro. Prosseguindo pela Rua de S. António do Telheiro, após cruzar a via-férrea, atinge-se a Capela de Nª Sª da Ermida (séc. XVII). O jardim das traseiras da capela poderá ser usado como ponto de descanso e abastecimento de água.Na continuação, descendo pela Rua da Estrada Velha passa-se pela Casa-Museu Abel Salazar até cruzar o Rio Leça sobre a Ponte da Pedra, cuja origem remonta ao tempo do Império Romano. Daqui o peregrino avista já a torre do Mosteiro de Santa Maria de Leça. Prosseguindo o caminho pela Rua da Estrada Velha chega-se ao Parque e à Capela de Santana (séc. XVIII) que é um excelente ponto de descanso e de reabastecimento de água. Daqui segue em direcção ao Mosteiro de Santa Maria de Leça, construção do séc. XIV, da Ordem do Hospital e que desempenho um importante papel no apoio aos peregrinos. A partir daqui deverá seguir pela Rua da Lionesa pela Maia e Vila do Conde até S. Pedro de Rates, a partir de onde se poderá optar entre seguir o percurso do “Caminho da Costa” ou prosseguir pelo “Caminho Central”. Para quem goste de caminhar à beira-mar Matosinhos possui ainda, em alternativa, 15 quilómetros de agradáveis percursos pedonais junto à praia, que levam o caminhante até Vila do Conde.

 

Consulte aqui o mapa, os pontos de interesse, onde dormir e os postos de turismo: 

 

Caminho Português da Costa

 

Portuguese Coastal Way

 

 

Mais informações em: http://caminhodacosta.wix.com/caminhodacosta 

Banner caminhos de santiago 1 1000 1000